Professora rapa as axilas de aluna em sala de aula

axilas rapadasUma professora rapou as axilas de uma aluna de uma turma especial da escola de Victoria (Austrália) durante uma aula. A mãe de Taylah, a adolescente de 14 anos envolvida, ficou indignada, mas a administração do colégio afirmou que rapar as axilas é parte do currículo escolar.

“Conversei com a professora no dia seguinte e ela disse-me que tinha o direito de fazer aquilo, que era parte do currículo”, contou Melissa Woods, a mãe da aluna, à rádio 3AW.

De acordo com Melissa, a filha tinha manifestado em casa o desejo de manter os pelos debaixo dos braços.

A direção da escola desculpou-se por não ter enviado um documento a Melissa a pedir permissão para rapar as axilas de Taylah, mas insistiu que continuará a ensinar que as adolescentes devem tirar os pelos do local em questão.

Britânica de 12 anos dá à luz, pai do bebé tem 13

[Foto meramente ilustrativa}]
[Foto meramente ilustrativa}]
Ela ainda frequenta escola primária em Londres (Inglaterra), mas já é mãe. Na semana passada, uma menina de 12 anos e um menino de 13 tornaram-se os pais mais novos do Reino Unido. Os “recordistas” tiveram uma menina saudável.

O casal precoce não foi identificado. Nesta quarta-feira (16/4), o pai da menina falou a um programa de rádio britânico. Ele contou ter descoberto há apenas quatro semanas que a filha estava para dar à luz. O novo avô prometeu apoiar a menina, garantiu estar orgulhoso e comentou que o pai do neto é “um grande garoto”.

“Só descobrimos quando a minha filha já estava com oito meses de gravidez. Não sabemos onde aconteceu”, disse ele, acrescentando não ter vergonha da situação.

O jovem casal conheceu-se no Natal de 2012, quando a menina tinha 10 anos e o menino, 12. Eles dizem-se “totalmente apaixonados”, segundo reportagem do “Sun”.

[divider] [box type=”info” ][/box]

Não fique com esta história só para si! Partilhe com os seus amigos:

Cientista francês conclui: sutiãs são inúteis!

decoteUm cientista francês que passou 16 anos a estudar centenas de seios de mulheres chegou à conclusão de que os sutiãs, afinal de contas, são inúteis.

Jean-Denis Rouillon revelou suas descobertas surpreendentes a uma estação de rádio universitária francesa (em abril de 2013), depois de ter analisado cuidadosamente os peitos de mais de 300 mulheres, com idades entre 18 e 35 anos, desde 1997.

Ele argumenta que o uso de um sutiã enfraquece os músculos naturais que sustentam os seios e sugeriu que as mulheres podem sentir-se mais livres não usando sutiã.

Uma participante do estudo, de 28 anos de idade, diz que as pessoas que não usam sutiã  ‘respiram melhor,  levantam-se mais direitas, tem menos dor nas costas “.

Dr. Rouillon afirma que há pouco benefício as mulheres de tenra idade usarem sutiã pois isso pode inclusive melhorar a firmeza dos seios.

Apesar de sua pesquisa que abrange mais de 16 anos, o médico afirma que os seus exames são apenas preliminares e que pode ser necessária uma investigação mais aprofundada.

No entanto, ele admitiu um sutiã pode ser benéfico para as senhoras mais velhas. ‘Uma mulher de meia-idade, com excesso de peso, ou com uma média de filhos superior a 2,4 filhos? Não tenho certeza de que ela tire benefícios ao abandonar o sutiã”, disse ele.

Não fique com esta história só para si! Partilhe com os seus amigos:

Em que parte do corpo dói mais ser picado por uma abelha?

abelhaUm estudante de doutoramento britânico deixou-se picar por abelhas 190 vezes, como parte de uma experiência para determinar em que parte do corpo a dor é mais forte.

Smith tem vindo a estudar as abelhas desde que uma lhe entrou para dentro da sua roupa interior e o picou numa parte delicada do corpo.

O aluno resolveu então transformar a dor em algo mais produtivo e fez de si mesmo uma espécie de rato de laboratório para a sua experiência.

A intenção, conta Michael L. Smith, da conceituada Cornell University, do Estado de Nova York (EUA), ‘era fazer uma pergunta bem básica, a parte do seu corpo em que você é picado influi na quantidade de dor que vai sentir? A resposta é definitivamente sim’.

Em entrevista à radio 5 Live, da BBC, Smith contou ter escolhido 25 partes do seu corpo e deixou que as abelhas o picassem nestas partes.

Afinal, onde é que dói mais?
Apesar de ter se sujeitado a picadas até mesmo nas suas partes íntimas, ele afirmou que a área mais sensível de todas foi a narina, em particular a parte interna do nariz. Em segundo, ele colocou o lábio superior e, em terceiro, o corpo do pénis.

A pesquisa exigiu não apenas empenho, mas também muita coragem. ‘Eu pegava a abelha pelas asas e colocava-a no local que precisava ser picado. E em segundos, sentia a picada. Não é necessário aplicar ciência complexa para que uma abelha nos pique, elas fazem-no quando provocadas.’

De acordo com a pesquisa, as partes menos dolorosas foram o crânio, a ponta do dedo grande do pé e a parte superior do braço.

[box type=”note” ]Veja o estudo[/box]

Um juiz francês “interroga” um cão como testemunha de um homicidio

labradorNa cidade de Tours, em França, Tango, um labrador com 9 anos, foi chamado a tribunal como testemunha e serviu de prova para acusar um homem de ter morto o seu dono.

O juiz pediu ao suspeito para ameaçar o cão com um taco de basebol enquanto os jurados observavam a reação do animal. Para que não restassem dúvidas os jurados tiveram também de observar, nas mesmas circuntâncias, o comportamento de um outro cão da mesma raça e idade. A experiência não resultou e os cães foram autorizados a voltar ao seu dia-a-dia normal.

O advogado do suspeito, Gregoire Lafarge, falou à rádio fraqncesa RTL e reagiu ao procedimento chamando a atenção para os perigos deste tipo de avaliação. “Então se o Tango levantar a pata direita, abrir a boca ou abanar a cauda isso significa que reconhece o meu cliente?”, ironizou. “Acho que isto pode levantar graves problema na justiça francesa”, rematou.

Um especialista em comportamento animal, Jaques Cordel, também criticou o procedimento do tribunal e chegou mesmo a considerá-lo ilegítimo. “Estas experiências são feitas com base em crenças populares e não têm qualquer base científica”, escreveu na revista francesa ‘Nouvel Observateur’. “O estudo do comportamento animal é uma ciência, não é uma brincadeira”, acrescentou.

Esta não é a primeira vez que um tribunal chama um cão como testemunha de um crime. Em 2008, Scooby, um cão foi constituído testemunha num processo que decorreu na Flórida, nos Estados Unidos. O cão foi encontrado no apartamento onde aparentemente um homem de 59 se tinha suicidado. A família não acreditou e denunciou um possível homicídio. Scooby era a única testemunha que, na opinião do juíz norte-americano, poderia contar o que aconteceu.

Via: .cmjornal.xl.pt

Escorpião (de plástico) deixou cidade irlandesa em polvorosa

escorpiãoA Sociedade Protetora de Animais de Waterford (Irlanda) emitiu um alerta para que os moradores da cidade tivessem cuidado com um perigoso escorpião que estava à solta na região. A população ficou em polvorosa.

Mas, horas depois, um homem que passeava com os seus cães descobriu a localização do “perigoso” escorpião, noticiou a rádio WLR. Na verdade, trata-se de um brinquedo. De borracha.

Foi então que a cidade de Waterford relaxou.

Erro de pesquisa no Google leva americano a ser perseguido como bombista

pesquisa googleTodos nós reconhecemos que a internet sem o Google não seria a mesma coisa. Larry Page e Sergey Brin revolucionaram o mundo da internet. Pois, mas não foi só isso que revolucionaram.

Que o diga Jeffrey Kantor, um homem que trabalhava para o governo americano e que viu a sua vida mudar de um momento para o outro. Tudo porque, umas semanas antes do aniversário do filho e pensando num presente para lhe oferecer, usou o motor de busca Google para pesquisar por ‘How do I build a radio-controlled airplane’ algo como “Como construir ao avião telecomandado”. Como sabemos o Google tem a função autocomplete (autocompletar) e mal o americano escreveu How do I build a radio-controlled  o Google sugeriu logo  ‘how do I build a radio controlled bomb’, algo como “Como construir uma bomba telecomandada”. Sem se aperceber da sugestão “malévola” o homem carregou no Pesquisar. Não reparou que a função autocompletar da pesquisa Google, havia completado “bomb” (bomba) em vez de “airplane” (avião).

Foi o fim do seu sossego. Desde então, Kantor ficou sob vigilância constante, com todos os seus movimentos físicos e virtuais rigidamente controlados pelo governo, pensando que ele era um potencial bombista.

Ele recorreu à Justiça, dizendo ser regularmente visitado por dois investigadores federais, que o tem ameaçado com observações anti-semitas. O recorrente alega também que, depois de sofrer assédio moral de superiores e colegas, incluindo ameaças de morte, foi demitido da empresa onde trabalhava a Appian Corporation.

Kantor agora pede uma indemnização de cerca de US$ 58,8 milhões de dólares (cerca de 42 milhões de €) por danos de vários tipos. Acresce ainda uma providência cautelar para que o Estado pare de imediato de o espiar.

Jeffrey Kantor iniciou o processo contra a empresa que o despediu, alegadamente por causa da busca no Google, a Appian Corporation. Mas para além da empresa Kanror tem demandado uma série de funcionários do governo – incluindo o procurador-geral Eric Holder, o diretor dos Serviços de Inteligência dos EUA James Clapper, o diretor da CIA, John Brennan, o secretário de Defesa Chuck Hagel e o secretário de Estado John Kerry .

Veja aqui a ação principal:PDF

Mulher processa Playboy após tacada (forte) nas nádegas

Liz Dickson PlayboyUma modelo americana candidata a ser uma das coelhinhas da Playboy está a processar a revista e um locutor de rádio (Kevin Klein) onde pede uma indemnização de 500.000 dólares (cerca de 360.000€). Tudo por causa de uma tacada, mal dada, pelo locutor de rádio, nas nádegas da moça. Não, não se ponham c0m ideias esquisitas. Foi uma tacada de golfe!

Decorria, em Los Angels, em março de 2012, um torneio patrocinado pela revista com  a participação de alguns convidados entre eles Kevin Klein (o radialista) que decidiu fazer uma brincadeira. Com a modelo de bruços, o colocou o tee (um pequeno  suporte para a bola de golfe e que se costuma espetar no chão) espetado na minissaia da modelo entre as suas nádegas. Até aqui nada traumatizante. A seguir fez dos cálculos e deu a tacada final. Os cálculos parecem não ter sido os adequados pois o taco “raspou” com força na nádega (direita) da modelo. Resultado, uma nádega negra como se vê na foto.

Liz Dickson era uma perfeita desconhecida para o mundo da moda mas estava na “calha” para uma carreira no universo paralelo das belezas da Playboy, até que ficou gravemente lesionada neste incidente.

Entretanto processou a Playboy alegando trauma físico e emocional .
Para perceber melhor veja o vídeo:

[sociallocker id=”20338″][/sociallocker]

Via: DailyMail

Denunciar o vizinho vira sensação em rádio checa

fajnSão 7h25 e a sintonia da rádio Fajn anuncia o inicio de O Delator, programa de sucesso na República Checa que premeia quem “denuncia” o comportamento que considera incorrecto dos vizinhos, parentes e companheiros ou que confessem a sua culpa.

Roubos, desvios, abusos no trabalho, enganos, deslizes sentimentais, amores ocultos, ascensões profissionais indevidas: todos são segredos que o produtor do programa “compra” às suas vítimas.

“As pessoas não têm medo de nada. Mentem, roubam e enganam, e se, de facto, alguém te prejudicou por algum destes motivos, então corra para o denunciar”, apregoa Tony, o apresentador do polémico programa.

As regras do jogo são simples: alguém denuncia outra pessoa à rádio, e esta (a rádio) vai à procura do acusado. Este, por sua vez, deve reconhecer o seu erro publicamente, em troca de uma recompensa, que costuma oscilar entre 80 euros e 160 euros, embora em algumas ocasiões já tenha chegado aos 300 euros.

Enquanto isso, o denunciador espera ao outro lado do telefone, para intervir se o suposto “infractor” duvidar, negar ou decidir encerrar a conversa.

Na medida em que o diálogo avança, aumenta o grau de tensão e não é raro o uso de palavrões e outros impropérios pelos que se sentem acusados.

O programa se vende como um serviço social, afirmando que pretende reparar, moral ou materialmente, certas injustiças.

Fonte: EFE | Terra Notícias