Dez 20, 2010
1234 Visitas

Sabia que o transplante de fezes existe e salva vidas?

Publicado por

Já ouvimos falar de transplantes de vários orgãos, tão importantes como o coração, pulmões, fígado, rins, etc… Mas, e se lhe dissesse que também existe o transplante fecal (ou, transplante de fezes)? Pois é verdade. Pode parecer mentira mas é a mais pura verdade. Existe e salva vidas!

O pioneiro é o Dr. Alexander Khoruts, gastroenterologista na Universidade do Minesota que a braços com uma doente portadora de uma “super bactéria” intestinal chamada Clostridium difficile, que lhe provocava uma terrível diarreia, a perda de 27 kg em 8 meses e como se não bastasse a colocou a usar fraldas e a deslocar-se em cadeira de rodas e a fez , achou que a única maneira de curar a paciente era fazendo um transplante. Mas ele não queria fazer um transplante “qualquer” dando um pedaço de intestino de estômago ou de outro orgão qualquer, foi então que fez um transplante de bactérias do marido da paciente! Pegou na matéria fecal do doador (o marido) e juntou-lhe um solução alcalina que colocou no cólon da paciente.

Numa publicação médica dedicada à gastroenterologia, o Dr. Khoruts e os seus colegas relataram que a diarreia da paciente desapareceu num dia e a sua infecção por Clostridium difficile também desapareceu e não mais voltou.
Fonte: The New York Times

Categorias dos artigos
Insólito

Comments to Sabia que o transplante de fezes existe e salva vidas?

  • transplante fecal

    rose Dezembro 21, 2010 2:14 pm Responder
    • É isso que digo no post: “WMas, e se lhe dissesse que também existe o transplante fecal (ou, transplante de fezes)? “…

      Arco da Velha Dezembro 21, 2010 6:00 pm Responder
    • É isso que digo no post: “(…)Mas, e se lhe dissesse que também existe o transplante fecal (ou, transplante de fezes)?(…) “…

      Arco da Velha Dezembro 21, 2010 6:04 pm Responder

Comenta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.