Prémios Ig Nobel de 2018 – Os prémios”que primeiro fazem rir, depois pensar”

Este galardão é uma sátira dos prémios Nobel e destacam pesquisas “que primeiro fazem rir, depois pensar”. Ela é organizada pela revista satírica Anais das Pesquisas Improváveis e entregues  na Universidade de Harvard em Cambridge, Massachusetts.

Uma análise do valor nutricional do canibalismo, um estudo sobre como tratar pedras nos rins andando em montanhas russas e uma pesquisa sobre as vantagens de se vingar de um chefe com bonecos de vodu foram alguns dos vencedores do prémio Ig Nobel de 2018, anunciados nesta quinta-feira (dia 13).

Vamos aos vencedores da 28ª cerimónia do Ig Nobel 2018:
Ig Nobel da  Medicina: a dois pesquisadores americanos por um estudo publicado em outubro de 2016 sobre os benefícios de passeios em montanhas russas para acelerar a passagem de pedras nos rins. O estudo calcula a velocidade com que as pedras se deslocam nos rins de passageiros que escolhem os assentos da frente e nos de passageiros que ficam nos vagões de trás.. de uma montanha russa.

Ig Nobel da Nutrição: foi para investigadores do Reino Unido, Tanzânia e Zimbábue por calcularem o valor calórico de uma dieta de canibalismo humano. A conclusão foi de que a dieta canibal tem muito menos calorias que dietas carnívoras tradicionais. “Nós não somos muito nutritivos”, disse o arqueólogo britânico James Cole.

Ig Nobel daAntropologia: foi premiado um estudo que mostra que chimpanzés imitam humanos com tanta frequência e tão bem quanto humanos imitam chimpanzés, conduzido por pesquisadores de sete países europeus e da Indonésia.

Ig Nobel da Química: foi para um grupo de pesquisadores portugueses que analisou o poder de limpeza da saliva humana. Eles concluíram que ela é um bom limpador para alguns tipos de superfícies.

Ig Nobel da Economia: uma equipa de investigadores do Canadá, da China, de Cingapura e dos EUA  com uma pesquisa sobre o uso de vodus para se vingar do chefe.   

Ig Nobel da  Educação Médica: o pediatra Akira Horiuchi, afirmou que ganhar um Ig Nobel ajuda a chamar atenção para estudos que, como o seu próprio, poderiam ser ignorados. Na sua pesquisa, Horiuchi fez uma colonoscopia em si mesmo para demonstrar que não é preciso temer o procedimento. O pediatra do Hospital Geral de Showa Inan, no Japão, usou um colonoscópio para crianças e permaneceu sentado, em vez de assumir a postura deitada, tradicional para o exame. Diz dele que, se este estudo ajudar a salvar uma vida que seja, já valeu a pena e é o melhor prémio.


Akira Horiuchi

Ig Nobel da Medcina Repredutiva: John Barry, Bruce Blank e Michel BoileauJohn Barry, Bruce Blank e Michel Boileau, pelo uso de selos postais para testar se a ereção noturna de homens com impotência estava a ocorrer dentro dos conformes.

Ig Nobel da Paz. Francisco Alonso, Cristina Esteban, Andrea Serge, Maria-Luisa Ballestar, Jaime Sanmartín, Constanza Calatayud e Beatriz Alamar, por medir a frequência, a motivação e a percepção de risco dos condutores que gritam e insultam no trânsito. Basicamente o prémio foi para a  tentativa de entender as discussões de trânsito.

Ig Nobel da Literatura. Thea Blackler, Rafael Gomez, Vesna Popovic e M. Helen Thompson por documentar que a maior parte das pessoas que usa equipamentos complicados não lê o manual de instruções antes de fazê-lo.

Os vencedores do Ig Nobel recebem uma nota de 10 trilhões de dólares do Zimbábue, o que equivalente a alguns cêntimos, e os prémios são entregues por vencedores do Prémio Nobel. Os vencedores tiveram que viajar por conta própria para Massachusetts, nos Estados Unidos, para receber o prémio na Universidade de Harvard.

A cerimónia de 2018

A “saliva é boa para limpar superfícies sujas” dizem investigadores portugueses

O estudo “Saliva humana como agente de limpeza para superfícies sujas” valeu o prémio da Química para investigadores portugueses.
Quem já não tentou limpar algo com a sua própria saliva que atire a primeira pedra… Agora, tal prática já tem fundamento cientifico.

Um estudo científico, feito por três investigadores portugueses veio agora provar aquilo que já muita gente desconfiava. A saliva é um bom agente de limpeza. Valeu-lhes um prémio Ig Nobel da Química.

Num artigo publicado no Journal Studies in Conservation, Paula M. S. Romão, Adília M. Alarcão e César A. N. Viana analisaram a “saliva humana como agente de limpeza para superfícies sujas”. Nesse texto, os três cientistas portugueses defendem, de acordo com o resumo do estudo, que “o uso de saliva humana para limpar superfícies sujas tem sido uma prática intuitiva para muitas gerações”.

“Os autores”, adianta o resumo, “estabeleceram as bases científicas para essa prática por meio de testes qualitativos e técnicas cromatográficas”. Para o efeito, “o alfa-amilase [α-amylasewas] foi o constituinte principal responsável pelo poder de limpeza da saliva e, portanto, as preparações amilásicas obtidas a partir do pão ou de microrganismos foram testadas como substitutos da saliva.” Estudo: aqui.

Todos os prémios:  Prémios Ig Nobel de 2018 – Os prémios”que primeiro fazem rir, depois pensar”

Tem pedras nos rins? Investigação diz que andar em montanha-russa cura!

Uma investigação americana que procurou demonstrar que andar em alguns tipos de montanha-russa é uma maneira eficaz de remover pedras nos rins. Quem o diz é  a dupla de investigadores americanos Marc Mitchell and David Wartinger.

Com este estudo ganharam inclusivé o IgNobel da Medicina 2018 (uma sátira aos Prémios Nobel). Os investigadores concluíram que para quem sofrer de pedras nos rins, o melhor é andar regularmente em montanhas russas!

O professor David Wartinger, da Faculdade de Medicina Osteopática da Universidade Estadual de Michigan, avançou com esta investigação depois de um dos seus pacientes ter regressado de férias na Disneylândia, na Florida, e ter contado ao investigador que uma das suas pedras nos rins tinha saído após um passeio na Big Thunder Mountain, uma montanha-russa que recupera o ambiente dos velhos westerns.

Ora, estamos mal em Portugal quanto a isto. A quantidade de montanhas russas do país é reduzida ou nula… Já pelos EUA há mais de 400 parques de diversão e, segundo um Roller Coaster Census Report, há 767 montanhas-russas (651 em aço, 116 em madeira). Estudo: aqui 

Todos os prémios:  Prémios Ig Nobel de 2018 – Os prémios”que primeiro fazem rir, depois pensar”

Mulheres em topless com ananases a tapar seios é a nova tendência do Instagram

Chama-se ‘Pineapple Boobs’ e é a nova tendência deste verão no Instagram. Sim, ainda estamos no verão em setembro.

“A tendência é que as utilizadoras do Instagram posem em topless com apenas com ananases (ou abacaxis como lhe queira chamar) na frente dos seus seios”, e a tendência está a espalhar-se e já tem adesão de muitas celebridades, blogueiros, youtubers e e utilizadores do Instagram em geral. É uma febre! 

As pessoas gostam tanto do “desafio” Pineapple Boobs (que podemos traduzir como “Mamas Ananás” ou há que lhe chame “Sutiã Ananás” ), que há até um Instagram dedicado às fotos de mulheres a colocar os ananases sobre os seus seios em locais ensolarados. #pineappleboobs

Mas só se faz com ananases!? Não. Podem usar qualquer fruta que você gosta de todas as formas e tamanhos, dependendo de quanto dos seus seios quer cobrir/tapar. Pêssegos, cocos, melões, melancias… E essa moda tem outro nome que éa o FruitBra (grosso modo “sutiã de fruta”). @fruitbra #fruitbra

Há até um “guia”:
Primeiro passo: estar num local paradisíaco;
Segundo passo: localize dois ananases ou abacaxis (ou como viu outra fruta de que goste ou acha piada) e do tamanho que quiser;
Terceiro passo: Coloque os abacaxis (ou a outra fruta) sobre seus peitos nus para que fiquem cobertos e faça a sua melhor pose, por exemplo, rindo do nada, a olhar para os abacaxis, a caminhar até alguém – qualquer coisa que sugira que isso seja uma coisa totalmente normal de se fazer.
Quarto passo: tire a foto.
Quinto passo: publique no Instagram.

É tão fácil quanto isto.

Jovem sofre amputação de parte do polegar por causa do vício de roer unhas

Courtney Whithorn começou a roer unhas no ensino secundário quando sofria bullying. O mecanismo de defesa acabou por virar um vhábito que se transformou em vício. Em 2014, a inglesa que mora em Gold Coast (Austrália) chegou a arrancar toda a unha de um dos polegares.

Logo depois disso, ela notou que o dedo começou a escurecer. Mas Courtney conseguiu esconder o problema dos familiares e amigos.

Até que em julho deste ano, a inglesa, de 20 anos, foi diagnosticada com um tipo de cancro no polegar que tem ligação ao vício de roer unhas e aos traumas por ele provocados.  A estudante universitária foi submetida a quatro cirurgias, contou reportagem do “Sun”. Mas elas não deram certo.

Recentemente, Courtney teve que amputar parte do polegar direito para deter o avanço do cancro.

“Quando descobri que roer unhas era a causa do meu cancro, fiquei despedaçada”, contou a jovem. “Eu mantinha o polegar escondido com o punho fechado, pois não queria que ninguém visse, mesmo os meus pais. Até que resolvi mostrar este ano”, acrescentou ela.

Curiosidade: O vício de roer unhas – associado a quadros de ansiedade, stress e nervosismo – tem nome técnico: onicofagia.

Praia intredita no sul de França por causa de um golfinho excitado

Imagine que tirou aquelas merecidas férias e resolveu ir para o sul da França aproveitar belíssimas praias. Mas, ao chegar lá, fica a saber que os banhistas estão proibidos de nadar e mergulhar. O motivo? Poluição noas praias? Não. Tubarões? Não. Mar agitados ou correntes perigosas? Não! O problema está num golfinho excitado.

O bichinho ficou tão conhecido que tem até apelido: Zafar. A sua fama começou há meses atrás, por conta da simpatia do bicho, que brincava e interagia muito com os visitantes da Baía de Brest. 

Mas, esse interesse repentino por humanos não era à toa. Zafar estava cheio das segundas intenções. “Ele está no cio”, disse um especialista em mamíferos marinhos ao jornal francês Ouest-France.

Atitudes mais invasivas como o golfinho a tentar “esfregar-se” nos banhistas e até mesmo em barcos ou boias começaram a deixar claro o que motivava o bichinho. A coisa ficou grave quando ele tentou se “engraçar” para cima de uma banhista, impedindo que ela regressasse à costa e quase afogou a senhora. Outra vez Zafar levantou uma outra mulher para fora da água com o focinho. Aí as autoridades viram que era hora de tomar uma atitude drástica.

O autarca de Landevennec, cidade onde aconteceram os incidentes, decidiu tomar medidas e foi então que proibiu nadar e mergulhar na Baía de Brest sempre que Zafar for visto na região. Essa medida foi aprovada por muitos – visitantes e moradores locais já estavam a ficar meio assustados com o comportamento “excitado” do golfinho.

Notícias boas fazem bem à saúde, comprovam pesquisas científicas

Notícias boas e otimismo fazem bem à saúde mental, física e ajudam a melhorar os dias das pessoas. É o que mostram pelo menos cinco pesquisas científicas.

Os estudos foram feitos em anos diferentes pela Universidade de Londres, Universidade de Harvard, Bayer, JP Harrell e Huffington Post.

As pesquisas foram reunidas e publicadas esta semana pelo portal norte-americano GoodNews Network para mostrar como as emoções positivas e a as notícias boas podem inspirar a nossa vida.

JP Harrell

Um estudo realizado por JP Harrell, em 2000, descobriu que, quando os participantes assistiam concentrações de notícias e conteúdos positivos, diminuíam os seus níveis de stress e ansiedade.

Huffington Post

Por outro lado, um estudo do Huffington Post e do investigador de Harvard, Shawn Achor, mostrou que, se as pessoas assistissem de 3 a 4 minutos de notícias negativas, 27% dos participantes teriam maior probabilidade de ficar deprimidas durante as seguintes 6 a 8 horas do dia.

Universidade de Londres

Num estudo com cerca de 3 mil adultos saudáveis, a Universidade de Londres descobriu que as pessoas que relataram humores positivos apresentavam níveis mais baixos de cortisol – a hormona do stress que leva à hipertensão, ao sistema imunológico enfraquecido e até à obesidade abdominal.

No estudo, as mulheres que relataram mais emoções positivas foram menos propensas a inflamações crónica, que estão relacionadas com doenças cardíacas e cancerígenas.

Os autores do artigo publicado no American Journal of Epidemiology em 2008 disseram: “As pessoas precisam reconhecer as coisas que as fazem se sentir bem”.

Um estudo holandês de homens idosos descobriu que aqueles que foram identificados como “otimistas” tiveram 50 por cento menor risco de morte cardiovascular durante o estudo de 15 anos.

Universidade de Harvard

Investigadores da Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard descobriram que o otimismo reduz as probabilidades de desenvolver doenças cardíacas e a taxa de declínio pulmonar à medida que envelhecemos.

Eles seguiram 1300 homens de 60 anos durante dez anos. “A função pulmonar diminuiu significativamente mais rapidamente em pessimistas, mesmo levando em conta os principais fatores de risco biológico”.

O cirurgião Dr. Christiane Northrop diz que os nossos sistemas nervosos não foram projetados para lidar com uma descarga diária de más notícias que contém o pior da humanidade. A inundação é demais para a maioria das pessoas.

Bayer

Um estudo de 2005 da Bayer concluiu que 93% dos americanos desejavam mais boas notícias, e 77% acreditavam que não havia notícias boas o suficiente oferecidas pelos grandes média.

O estudo também mostrou que as pessoas acreditavam que elas são mais produtivas em seus empregos depois de ouvir boas notícias.

Via: Notícia Boa

Mulher deixa de trabalhar para poder amamentar o seu… namorado!

Uma mulher está a gerar controvérsia nas redes sociais depois de ter anunciado publicamente que ia despedir-se do seu emprego para poder, de duas em duas horas, amamentar o… namorado de 36 anos.

Jennifer Multord, natural de Atlanta, nos EUA, explicou que depois de ler sobre o assunto da amamentação decidiu que queria criar um vínculo forte com alguém, o que geralmente acontece entre mãe e filho, tal como outros casais que conheceu na Internet.

Foi então que se lembrou de Brad Leeson, o seu amigo e namorado de infância. “Quando falei com o Brad foi como se se fizesse luz na cabeça dele. Eu posso dizer que ele ficou curioso e entusiasmado. Naquele momento eu percebi que tinha um parceiro para a vida. Nós queríamos a mesma coisa…um vínculo mágico que só se pode alcançar com a amamentação”, explicou a mulher.

Jennifer já não produz leite materno há 20 anos, altura em que foi mãe. No entanto, o casal tem tentado ao máximo induzir a lactação. Para tal, a mulher dá de mamar ao namorado de duas em duas horas, utilizando até bombas mamárias para tentar extrair o leite.

O casal está a ser fortemente acusado de banalizar o processo da amamentação e de o sexualizar. “É ridículo o que eles estão a fazer. Estão apenas a aumentar a ideia de que a amamentação é sexual e estão a fazer com que as mães se sintam cada vez mais envergonhadas de o fazer em público com os seus bebés. O leite materno não traz benefícios médicos aos adultos. O leite materno é só para bebés”.
Via: The Sun

Uma simples tatuagem está a levar uma pizaria à falência

A rede de pizzarias Domino’s na Rússia já se arrependeu de um desafio que fez aos seus clientes: quem tatuasse o logotipo da empresa (uma peça de dominó azul e vermelha) teria 100 pizzas por ano durante um século!

O que a pizaria não esperava era percentagem de aderência à iniciativa! O problema foi que muitos russos – em número muito acima do esperado – aderiram e tatuaram a marca da Domino’s em diversas partes do corpo. Agora, eles querem que a empresa cumpra com a sua palavra, ou seja, as tais 100 pizzas por ano e durante um século!

O sucesso da iniciativa foi tanto que a rede teve que limitar a promoção às 350 primeiras pessoas com a tatuagem da peça de dominó azul e vermelha. O prejuízo pode ascender a 3 milhões de €.

As várias tatuagens em vários locais

“Amigos, já temos os 350 participantes! Não estamos a aceitar mais tatuagens”, apressou-se a empresa em dizer no Facebook na segunda-feira (10/9). As tatuagens deveriam ter, no mínimo, dois centímetros de comprimento.

Afeganistão constrói cidade para morarem apenas as mullheres policias

O governo do Afeganistão começou a construção de uma pequena cidade nos arredores de Cabul, a capital do país, onde só vão morar policias do sexo feminino.

Naquele país há apenas 3 mil mulheres policias – 2% dos total de agentes da lei do país, cuja maior ameaça continua a ser o extremismo dos Talibã. Muitas mulheres não aderem à força policial por causa dos constantes ataques sobretudo durante o serviço mas também fora dele. A cidade só para mulheres, acreditam as autoridades, trará mais segurança e fará com que mais mulheres se interessem em tornar-se policias.

Além dos prédios residenciais, a nova cidade planeada terá hospital, creche, academia de ginástica e escola, segundo matéria da Al-Jazeera.

T-shirt que aumenta seios tornou-se viral

O tamanho dos seios é a preocupação de muitas mulheres e, porque não dizê-lo, dos homens seus apreciadores. Quem não tem quer ter. Mas as cirurgias ficam caras e, não há milagres. 

Bem, não havia até aqui!  Uma simples t-shirt (ou “camiseta” no Brasil) que está à venda por apenas  21€ (R$ 100 Brasil) e promete aumentar os seios! 

Quer dizer…  Nem 8 nem 80. Aumentar, aumentar não é bem o que acontece. Vamos então à t-shirt… A peça tem na sua frente na zona dos seios estampada uma espécie de grelha de quadrados cinzentos e cujas linhas separadoras fazem ter a ilusão de um busto maior.

Embora a ilusão seja de pouca dura. Isto porque a ilusão só se realiza de frente. De lado a ilusão desaparece. 

A genial ideia foi trazida a público pela atriz japonesa Sakura Inagaki Saki. 

As opiniões divergem… Enquanto uns dizem que se sentem “traídos” outros perguntam se também se “fazem calças para homens com efeito semelhante”.
Já uma mulher disse que a partir de agora as pessoas lhe vão perguntar porque todas as suas fotos foram tiradas com aquela t-shirt.

Sexo mata! As 10 mortes mais insólitas durante o acto

Começo por vos dizer que uma das histórias aconteceu em Portugal! Olá pessoal de Aveiro! 😀
É verdade, o sexo pode matar! Várias mortes durante o sexo ocorrem nesta ação inteiramente normal e consensual, normalmente, devido ao esforço físico exigido. Podem ser hemorragias, ataques cardíacos, aneurismas, AVC’s, etc… Estas situações aconteceram realmente, mesmo sendo difícil de acreditar. Vamos aos 10 casos estranhos de pessoas que morreram durante o sexo.

10° Mulher portuguesa
Em 2015, uma mulher de 91 anos de idade, portuguesa, foi descoberta morta na cama dela com uma fotografia do seu marido descansando em cima do seu peito. Ao lado dela estava um vibrador. Foi posteriormente encontrado sémen do seu vizinho de 49 anos de idade. Ela morreu de axfixia no meio dos jogos sexuais. O vizinho saiu em liberdade.

9° Presidente francês, Felix Faure
Segundo rumores, diz-se que o presidente francês Felix Faure morreu durante uma relação sexual em fevereiro de 1899. Diz-se que ele convidou a sua amante para o seu quarto, mas morreu enquanto suas mãos estavam emaranhadas no cabelo dela. Fala-se que ele teve uma convulsão enquanto ela lhe fazia sexo oral.

8° Os Mackenzie
Charles e Dorothy Mackenzie, dois pais amorosos que estavam no México para celebrar o casamento da filha, decidiram tomar um banho na
luxuosa banheira de hidromassagem. O clima aqueceu e Charles teve um ataque cardíaco. O seu corpo morto apanhou Dorothy “desprevenida” e fez com ela ficasse submersa na água debaixo do corpo dele, infelizmente, matando os dois.

7° Enforcamento nazista
Alguns fetiches vão ao extremo, e algumas vezes as pessoas machucam-se no acto. Em notícia recente, um homem de 38 anos de idade pediu à namorada dele de longa data para se vestir como um nazista e fingir enforcá-lo. A faca que ele previamente lhe deu para cortar a corda não foi suficiente para soltá-lo. Resultado: ele morreu mesmo… enforcado!

6° Sexo a Três Fatal
Sergey Tuganoc,  russo de 28 anos de idade, morreu durante um escaldante menáge a trois. As duas mulheres envolvidas apostaram como russo que ele não se aguentaria o dia todo a fazer sexo com elas. Ele engoliu vários comprimidos Viagra para se aguentar com as duas, mas teve um ataque cardíaco.

5° Condor Club
Condor Club em San Francisco tornou-se famoso por ser o primeiro bar topless em todo o mundo. Infelizmente, um segurança do local morreu enquanto fazia sexo com a sua namorada em cima do piano no bar. A sustentação do piano falhou e o piano acabou por esmagar o homem.

4° Mamilo eletrocutado
Na Pensilvânia, um marido ligou para a polícia para relatar uma morte na sua família. A sua esposa tinha sido brutalmente eletrocutada, e o homem arranjou um “suspeito”: o secador de cabelo! Mas não. A mulher tinha sido eletrocutada com grampos ligados a cabos elétricos colocado nos mamilos.

3° Sexo debaixo d’água
Anita Harold e Richard Lang estavam a procurar um lugar interessante para fazer sexo no carro. Foi então que estacionaram próximos de um rio. Com o ambiente agitado que se fez sentir dentro do carro este começou a rolar, enquanto os dois estavam a fazer o amor. O carro acabou por cair ao rio afogando o casal.

2° Amor na sacada
Apesar de se divertirem na sacada deles, Robert Salazar e Sandra Orellana, a empregada do homem, estavam ocupados em uma viagem de negócios em 1996. Enquanto faziam o ato, os dois, em sexo selvagem, caíram da sacada, .

1° Nelson Rockefeller
Diz-se que o ex-vice-presidente dos EUA, Nelson Rockefeller que morreu em 1979, enquanto fazia sexo com a sua secretária de apenas 27 anos de idade à época. Quando atingiu o rogasmo, morreu!

Apresentadora de TV está arrependida de ter amamentado… bezerro!

Se um dia escrever uma autobiografia, a apresentadora de televisão Kate Garraway, de 51 anos, vai eliminar da memória um episódio que repercutiu bastante: o momento em que ela amamentou um bezerro num estábulo.

A cena ocorreu em 2008 para o documentário “Other People’s Breast Milk”, do Channel 4. “Não é algo do que me orgulhe”, desabafou a apresentadora do “Good Morning Britain”, um dos destaques da ITV.

A ideia do controverso documentário era defender que dar a um bebé leite em pó é tão estranho quanto alimentar um bezerro com leite humano.

“Era um trabalho sério de jornalismo, sobre bebés que bebem leite de outras mulheres”, emendou Kate.

Polícia da Austrália divulga retrato robô de suspeito ‘sem nariz’

Ele é um dos suspeitos de cometer violento assalto na cidade de Perth.

Um retrato robô eletrónico de um suspeito “sem nariz”, feito pela polícia da Austrália, está a viralizar na internet.

O homem do retrato é um dos dois suspeitos de um violento assalto no subúrbio de Dianella, na cidade de Perth, ocorrido na última sexta-feira (31 agosto).

A polícia de Western Australia não explicou o motivo de o retrato ter sido feito com um borrão no lugar do nariz, mas disse que “o foco é identificar os suspeitos”, segundo a imprensa local.

Pesquisa afirma que ficar em segundo é melhor que ficar em primeiro!

Num estudo sobre a vida de atletas medalhados olímpicos, o professor Adam Leive constatou que não terminar em primeiro pode, após, motivar a procura por sucesso profissional.

Já ouvimos muitas vezes a expressão “os últimos serão os primeiros”. Talvez isso seja apenas uma frase feita para motivar pessoas a não desanimarem em função de eventuais fracassos, é verdade. Mas, quando se trata da comparação entre o primeiro e o segundo – ou o primeiro dos últimos? – lugares, uma pesquisa recente mostra que há uma base real para não ficar triste se ficar em segundo.

Professor assistente da Universidade da Virgínia, Adam Leive publicou no Journal of Health Economics um estudo que compara a evolução na vida pessoal e na vida profissional de atletas que foram primeiro ou segundo colocados em Olimpíadas de 1896 e 1948. Leive constatou que, em geral, ganhar a medalha de prata resultou em destinos mais prósperos do que o observado para os medalhados com o ouro.

O recorte histórico feito por Leive é importante porque aborda o período em que os atletas eram amadores. Ou seja, as suas vidas não eram, ou eram em escala bastante pequena, influenciadas pelo sucesso desportivo. Naquela época, tanto os vencedores quanto os segundos colocados voltavam para casa a precisar procurar um emprego “comum”. 

Mas ficar com a medalha de ouro ou de prata parece ter servido para mudar o rumo de vida daqueles atletas. Leive observou que 70% dos atletas analisados que ficaram em segundo lugar nas competições conseguiram tornar-se trabalhadores profissionais, depois disso, enquanto apenas 20% dos vencedores no desporto conseguiram tal feito. O restante ficou com empregos semiprofissionais ou se tornaram vendedores de comércios populares.

Os segundo colocados também alcançaram maiores salários e tiveram, em geral, uma vida um ano mais longa do que a dos seus então competidores, segundo a pesquisa.