“Cortar na casaca” faz bem

Escrito por

Falar da vida alheia faz bem — muito mais quando nossos comentários são positivos, mas até um pouco de “veneno” tem os seus benefícios.

A constatação veio de investigadores da Universidade de Staffordshire, que conduziram dois estudos sobre o assunto. No primeiro, 140 voluntários foram orientados a falar bem ou mal sobre uma pessoa fictícia; no segundo, outros 160 participantes responderam a questionários contando com que frequência “cortavam na casasa” , como andavam as suas autoestimas e como se sentiam em relação aos seus conhecidos.

Os resultados: depois de comentar a vida alheia sem maldade, as emoções positivas dos voluntários subiam 3%, as emoções negativas diminuíam 6% e a autoestima crescia 5%. Não são grandes números, mas é a primeira vez que algo benéfico é atribuído à arte de “cortar na casaca” — as pessoas sentem-se mais felizes ao falar bem sobre as outras.

“Mas, fofoca é quase sempre venenosa!”. Seja “doce” ou cruel, a “cortar na casaca” deixa as pessoas a sentir-se mais próximas umas das outras, aumentando a sensação de “suporte social”, diz a pesquisa. Dier mal dos outros não nos vai fazer sentir melhor sobre nós mesmos, como o “cortar na casaca bom” faz — mas certamente deixa-nos a sentir menos sozinhos.

Comments to “Cortar na casaca” faz bem

  • No Brasil, esse termo “cortar na casaca” entende-se por “fofocar”, “fuxicar” e entre outros, por “boato”.

    O termo “língua de sogra” tem tudo a ver com “cortar na casaca”.

    Abraços aos lusitanos!

    Almanakut Brasil Outubro 11, 2011 7:41 am Responder

Comenta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.