A nova moda das jovens finlandesas: corridas com cavalos… de pau!

As finlandesas entre os 10 e os 18 anos tem um novo desporto: hobby horsing! Com cavalos… de pau!

As corridas de cavalos são conhecidas em todo mundo. Mas estas são diferentes.  Diferentes porque são feitas, não só por raparigas (sobretudo entre os 10 e os 18 anos) mas também pelo cavalo utilizado: um cavalo de brincar!

Falamos do hobby horsing, uma modalidade bizarra para quem vê, mas que parece ter efeitos terapêuticos paraquem a pratica.

Há cerca de dez mil jovens a praticarem hobby horsing na Finlândia, segundo dados da BBC. A modalidade combina a mestria dos saltos de equitação, com movimentos de ballet e… um cavalo de brincar!

Essencialmente praticada por meninas, há quem veja neste desporto insólito uma forma de “empoderamento feminino” e de “imaginação sem limites”, embora para quem vê tudo possa parecer simplesmente estranho.

O que é certo é que a modalidade está tão disseminada na Finlândia que até há campeonatos nacionais que imitam a estrutura das competições equestres, com provas de dressage e de saltos de obstáculos, mas com um cavalo de brincar.

E o que é que explica, afinal, o sucesso do desporto? É que, mais do que uma mera prática física e competitiva, está em causa um verdadeiro sentimento de comunidade. Isso fica patente na força que o hobby horsing tem nas redes sociais, onde as jovens praticantes partilham dicas sobre as melhores técnicas e sobre a construção dos cavalos.

A aposta no “do it yourself“ é outra forte vertente da modalidade, sendo que os cavalos são quase todos feitos em casa, por cada uma das suas donas. Há também, quem os venda nas redes sociais por quantias da ordem dos 200 euros.

Alisa Aarniomaki, 20 anos, praticante do insólito desporto

Esta jovem com um ar rock-punk continua, aos 20 anos, a ser adepta do hobby horsing. “Ajuda-me muito poder, ocasionalmente, sair a galopar para a floresta com os meus amigos. De certa forma, equilibra a minha mente”, destaca Alisa, salientando o lado “fortemente terapêutico” da modalidade e notando que a ajudou a lidar com o divórcio dos pais e com o bullying na escola.

Alisa ainda nota que “o hobby horsing tem uma agenda feminista“, sustentando o facto de ser maioritariamente praticado por raparigas. “Não há rapazes a aparecerem e a dizerem o que temos que fazer ou a mandar em todos”, frisa a jovem que está envolvida na organização de competições da modalidade.

Já o secretário geral da Federação Equestre da Finlândia, Fred Sundwall, afiança, que o hobby horsing dá às crianças e adolescentes que não têm cavalos uma “oportunidade” de “interagirem com eles fora dos estábulos e das escolas de equitação”.

Inglesa de 26 anos diz que não consegue arranjar namorado porque é ‘muito bonita’

Cherelle Neille, tem 26 anos, tem um desejo: “arranjar” um namorado. Mas a tarefa não está fácil.

Cherelle Neille, mora em Manchester (Inglaterra) e está a ter a sua tarefa muito complicada. Mas porque será? É feia? Tem algum problema que não seja fácil resolver? Não. Cherelle tem até a explicação para a dificuldade: é “muito bonita”!

A beleza, segundo ela, é um obstáculo pois afasta e intimida os homens, que só a querem para aventuras. Ela acredita que mulheres “normais” (nem bonitas, nem feias) são as que têm mais chance de um conquistar um relacionamento sério e duradouro.

“Com as mulheres comuns os homens têm que conhecer a personalidade delas, já que a beleza é mediana”, afirmou a jovem, em reportagem do “Daily Mirror”. “Comigo a atenção é inversa. Eles nunca me vêem como uma pessoa”, acrescentou.

Cherelle contou ao jornal que o último namorado só queria desfilar com ela e parecia só se importar em tirar fotos ao lado dela.

Além da vida amorosa, a beleza, diz Cherelle, tem impacto sobre as amizades. “As mulheres ficam com ciúmes. Só tenho uma amiga”, acrescentou.

“Não quero ser menos bonita, apenas desejo que os homens me tratem de outra forma. Acho que há um sério problema na sociedade quanto à forma como os homens tratam mulheres bonitas”, finalizou.

Querem o Instagram dela? O que o AV não faz por vocês: chebella91

Cerveja pode ser mais analgésico que paracetamol

Beber com moderação é o mote que tem vindo a ser propalado.

A Organização Mundial de Saúde sugere que não sejam ultrapassadas duas unidades (20 gramas de álcool) por dia e que haja uma abstinência de, pelo menos, dois dias por semana.
Tudo bem. Mas e se tivermos dores? Como!?

Pois é, pode parecer uma brincadeira mas um grupo de investigadores da Universidade de Greenwich, no Reino Unido, defendem que a cerveja pode ser muito mais eficaz no combate à dor do que alguns comprimidos analgésicos que são utilizados na maior parte dos casos.

O estudo realizado concluiu que o equivalente a dois copos de 473 mililitros de cerveja contribuem para atenuar um quarto da intensidade da dor sentida.

De acordo com o Daily Express, o principal responsável por este estudo, Trevor Thompson, afirma que o álcool pode ser mais eficaz do que o próprio paracetamol.

O Yoga da cerveja (Beer Yoga) é a nova moda no fitness

Se é daqueles (as) que sempre pensou que uma cervejeira fresquinha depois de um dia de trabalho o(a) ajudou a relaxar após um longo dia no escritório, então o mundo está a ir no rumo certo. Esta aí um novo tipo de exercício físico que o vai ajudar a levar a sua calma interior ao próximo nível.

O Beer Yoga está a torna-se moda ao combinar poses tradicionais do yoga com a arte de… beber uma cervejas.

A ideia começou há mais de um ano na Alemanha, num grupo de hipsteres em Berlim, onde os moradores ficaram loucos com a ideia de alongamentos durante as suas sessões de bebida.

As aulas são dirigidas por Jhula e Emily, os yogis que viram pela primeira vez a ideia acontecer no festival Burning Man.

O exercício é apresentado como o “casamento de dois grandes amores – cerveja e yoga. Ambos são terapias centenárias para mente, corpo e alma”, de acordo com o seu site .

Mas não é apenas uma novidade. O “BeerYoga é divertido, mas não é brincadeira”, escreve o fundador e yogi Jhula. “Seguimos as filosofias do ioga e combinamo-lo com o prazer de beber cerveja para alcançar o nosso mais alto nível de consciência”.

O conceito já está a chegar a Sydney na Austrália com os alunos a realizar “saudações de cerveja”, enquanto casualmente vão equilibrando garrafas de cerveja na suas cabeças.

Para já, não há notícias da chegada a Portugal do conceito. Mas cada coisa a seu tempo…

Moda viral: chegou a vez das sobrancelhas com formato de… “pena”

As sobrancelhas mais volumosas estão na moda. Mais que isso: agora, algumas têm o formato de uma “pena”. Com a aplicação de cola em bastão, os fios são arrumados a fim de deixar as sobrancelhas parecidas com penas. (Nota do arco da Velha: Cola em bastão? Porque não, gel para o cabelo?)

A tendência é conhecida como Feather Brow. Tudo começou com a maquilhadora e blogueira Stella Sironen e era para ser apenas uma brincadeira. Mas acabou por ser bem mais que isso. Após ter colocado uma foto no seu Instagram, tornou-se viral . Neste momento mais de 51.000 Gostos em menos de um mês. (https://www.instagram.com/stella.s.makeup/)

“É um estilo diferente e divertido, para as mulheres despojadas e corajosas”, comentou Marina Motta, designer de sobrancelhas.

Marina, entretanto, faz um alerta: “A blogueira utilizou o produto para fixar os pelos, mas ele não é apropriado para isso, podendo causar alergias e até a queda dos fios.”

Que tal? Vai aderir?